Desculpe, você precisa ativar o JavaScript no seu navegador para visitar o Portal Dataprev.
Ir para o conteudo 1

Usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no Portal Dataprev. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse nosso Aviso de PrivacidadeAo continuar navegando, você confirma que leu, compreendeu e consente com a utilização de cookies.

Atualizado em: 
qua, 11/05/2022 - 15:19

De abril de 2021 a março deste ano foram criados 2.571.313 novos postos. Dados são compilados em sistemas desenvolvidos pela Dataprev

No primeiro trimestre de 2022, o Brasil teve saldo positivo de 615.173 vagas de emprego com carteira assinada. Os dados são do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) e foram divulgados no último dia 28. O processo de geração dessas informações envolve, a cada ano, a montagem do Painel Anual de Emprego (PAE) – trabalho desenvolvido por especialistas da Dataprev.

A empresa é parceira do Ministério também em outras iniciativas, como o Programa Emergencial de Preservação do Emprego e Renda (BEm), a Carteira de Trabalho Digital e o Meu INSS.

De abril de 2021 a março de 2022 foram gerados 2.571.313 novos postos de trabalho. Desde o início do governo do presidente da República, Jair Bolsonaro, foram criadas 3.827.107 novas vagas.

No período de retomada do emprego formal, de julho de 2020 a março de 2022, foram 4.583.357 novos postos de trabalho. Durante a apresentação dos dados à imprensa, o ministro do Trabalho e Previdência, José Carlos Oliveira, destacou que “é o terceiro mês consecutivo que verificamos crescimento na criação de novos empregos e o acumulado do trimestre – mais de 615 mil novos empregos - nos permite sonhar, que o acumulado até o final do ano será superior aquele que tínhamos programado inicialmente, que era de um milhão de novos empregos”.

Atualmente, existem 311.280 trabalhadores intermitentes contratados no Brasil. No acumulado do ano foram gerados 18.574 postos de trabalho na categoria do trabalho intermitente. Para o mês de março 6.942 novas vagas foram criadas. “A modalidade do contrato intermitente pouco foi afetada pela pandemia. Ao contrário, devido as suas próprias características de exercício sem um caráter contínuo, permitiu ao trabalhador uma fonte de renda concomitante a uma menor chance de desligá-lo, a partir de eventuais reduções da atividade produtiva da empresa, verificadas em ondas diferentes nesse período, explica o secretário de Trabalho da pasta, Luís Felipe Batista de Oliveira.

Setores

O setor de Serviços foi o grande destaque do mês, com a geração de 111.513 mil novos postos de trabalho formais, distribuídos principalmente nas atividades de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (39.575).  Destaque também para a construção que teve um saldo no mês de (25.059). E para a indústria que apresentou (15.260) novas vagas de emprego.

Aumento de emprego formal também ocorreu no setor de comércio, com saldo de (352) novos postos de trabalho formais.

Regiões

“A recuperação do emprego no Brasil é ampla e alcança 23 dos 27 dos estados, nas diferentes atividades econômicas do país. Isso está sendo possível graças à política de desburocratização e incentivos dados pelo governo do presidente Jair Bolsonaro”, reforçou o ministro Oliveira.

As regiões que mais se destacam na geração de empregos são: Sudeste e Sul. Já os estados que mais abriram postos de trabalho foram São Paulo (34.010 postos); Minas Gerais (27.452 postos) e Rio Grande do Sul (13.744 postos).

* Com informações do Ministério do Trabalho e Previdência